Mapa cancela registros do SIF e estende auditorias a mais estados

Quinta-feira, 06/04/2017 às 00:00, Imprensa Blairo Maggi

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, apresentou nesta quinta-feira (6) novo balanço das auditorias dos 21 estabelecimentos que estavam sob suspeição desde a deflagração da Operação Carne Fraca. Novacki reafirmou que toda a investigação segue sendo feita com transparência e ressaltou a robustez do sistema de fiscalização sanitária do país.

Segundo o secretário, foram recolhidas, pela  força-tarefa criada no Mapa, 302 amostras de produtos, de forma preventiva. Desse total, 31 amostras ou 10,2% delas apresentaram problemas de ordem econômica, não necessariamente fraudes, mas a não observância de normas técnicas, como excesso de amido em salsicha ou adição de água, além do permitido, em frango. Das 302, oito amostras (2,6%) tiveram pequenos problemas, mas capazes de afetar a saúde pública. Dessas oito, sete tiveram confirmada a presença de salmonella e uma de estafilococos. Todas as amostras foram enviadas para análise em unidades do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) do Ministério da Agricultura.

As 31 amostras com problemas de ordem econômica referem-se a embutidos, onde foi encontrado ácido sórbico, conservante proibido em salsichas e linguiças. Esses produtos saíram dos frigoríficos Souza Ramos, no município de Colombo (PR), e Peccin, de Curitiba (PR) e de Jaraguá do Sul (SC), e já foram recolhidos do comércio. Foi comprovado ainda excesso de amido em salsichas produzidas por esses mesmos frigoríficos.

Também foram encontrados problemas de ordem econômica na produção de frango com excesso de água, processado pela unidade da BRF de Mineiros (GO) e pelo Frango DM.

Das oito análises de produtos que apresentaram possível risco à saúde pública, sete laudos se referem a hambúrgueres contaminados por Salmonella, produzido pelo frigorífico Transmeat (SIF 4644), dono da marca Novilho Nobre. Essa linha de produção da empresa foi fechada e os lotes do produto recolhidos no dia 23 de março. Os produtos serão obrigatoriamente descartados e destruídos, sob supervisão de técnicos do Mapa.

Também foi constatada a presença da bactéria Estafilococus Coagulas Positiva na linguiça cozida produzida pelo Frigorífico FrigoSantos (SIF 2021). “Esta análise só ficou pronta hoje pela manhã, sendo determinado o recolhimento preventivo da linguiça e interdição desta linha de produção”, disse o secretário-executivo.

O Mapa iniciou o procedimento para cancelar o SIF dos frigoríficos Peccin (SIFs 825 e 2155) e do Central de Carnes (SIF 3796). “Outros frigoríficos também poderão ter o registro cassado, na medida em que nossas auditorias avancem. Todos os que erraram terão de pagar pelo erro. Não importa se são grandes ou pequenas empresas”, alertou Novacki.

Por orientação do ministro Blairo Maggi e pelo fato de a força-tarefa haver encerrado os trabalhos antes das três semanas previstas, nos estabelecimentos citados na Operação Carne Fraca da Polícia Federal, o Mapa vai intensificar a fiscalização e antecipar o calendário de auditorias. Já estão sendo realizadas ações em Pernambuco, Bahia, Tocantins, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. As equipes de fiscalização nesses estados terão rodízio com troca de posições e até possíveis substituições de superintendentes. “Queremos que essas auditorias nos deem a situação real de como estão funcionando os serviços de inspeção em cada estado. Todos os resultados serão divulgados e compartilhados com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal”, garantiu.

“Também por determinação do ministro Blairo Maggi, todos os indícios de crime, seja contra a saúde pública ou de ordem econômica, serão encaminhados ao Ministério Público e à Polícia Federal para devidas providências. Nós, no Mapa, estamos limitados à esfera administrativa, cabendo à Justiça e à Polícia Federal investigar, prender, processar e condenar”, observou Novacki.

Para reconquistar a confiança dos mercados e mostrar a robustez do sistema de fiscalização de produtos de origem animal do Brasil, o secretário-executivo irá viajar, entre os dias 17 e 27 de abril, para se reunir com autoridades dos governos do Irã, Egito e Argélia. Em maio, o ministro Blairo visitará a China, Hong Kong, Emirados Árabes, Arábia Saudita e Europa para intensificar as negociações com importadores da carne brasileira.

Saiba mais:

1. Foram analisadas 302 amostras.

2. Deste total, 31 amostras ou 10,2%, indicam problemas de ordem econômica.

3. 8 amostras, ou 2,6% do total, indicam riscos à saúde pública.

4. Os 31 laudos de análise que indicam problemas de ordem econômica se referem a lotes de embutidos com ácido sórbico, um conservante que tem uso proibido para salsichas e linguiças. São produtos que foram produzidos pelo Frigorífico Souza Ramos e que já foram recolhidos do mercado no dia 23 de março.

5. Ainda sobre resultados indicando problemas de ordem econômica, temos frango com excesso de água produzido pela unidade da BRF de Mineiros e pelo Frango DM e excesso de amido em salsichas produzidas pelo frigorífico Peccin.

6. Resultados de análises de produtos com risco à saúde pública. Foram 8 resultados. Sete laudos se referem a hambúrgueres contaminados por salmonellas produzidos pelo frigorífico Transmeat. Essa linha de produção da empresa foi fechada e os lotes destes produtos recolhidos no dia 23 de março. Esses produtos serão obrigatoriamente descartados e destruídos sob supervisão dos técnicos do MAPA. Também foi constatada a presença da bactéria estafilococos coagulase positiva na linguiça cozida produzida pelo Frigorífico FrigoSantos. Esta análise só ficou pronta hoje cedo, já determinamos o recolhimento preventivo da linguiça, que tem o SIF 4644, e vamos interditar a linha de produção deste produto, que será descartado e destruído sob supervisão dos nossos técnicos.

7. Iniciamos procedimento para cancelar o SIF dos frigoríficos Peccin (SIFs 825 e 2155) e Central de Carnes (SIF 3796). Outros frigoríficos também podem ter o registro cassado, na medida em que nossas investigações avancem. Todos os que erraram terão de pagar pelo erro. Não importa se são grandes ou pequenas empresas.

8. Vamos continuar intensificando a fiscalização. Por orientação do ministro Blairo Maggi, estamos antecipando nosso calendário de auditorias. Já estamos trabalhando em Pernambuco, Bahia, Tocantins, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

9. Serão feitas fiscalizações rigorosas em diversas unidades destes estados e os resultados divulgados como temos feito desde o início.

10. Também por determinação do ministro Blairo Maggi, todos os indícios de crime, seja contra a saúde pública ou de ordem econômica, serão encaminhados ao Ministério Público e Polícia Federal para as devidas providências. Nós, do MAPA, estamos limitados à esfera administrativa, cabendo à Justiça e à Polícia Federal, investigar, prender, processar e condenar.